Páginas

Mas já vai?








Eu teria começado pelo início, se não fosse o fim me levantar desta cama. Em segredo e as escondidas tantas lagrimas já foram derramadas, e eu nem sei onde mais procurar a felicidade, é triste saber que a razão já sobrepõe à emoção, é um sinal tão eloqüente de que minhas feridas já calaram fundo! Lembrei-me pouco tempo atrás que eu cansei de acreditar, e de esperar coisas boas ou ruins até mesmo porque, eu crio muitas expectativas, e que toda vez que eu finalmente confio em alguém elas me esclarecem porque eu não deveria confiar! E se quer saber? O amor que me encontre, cansei de desilusão, meu coração que já não bate só apanha!
Existem problemas maiores e menores, mas para quem os vive a intensidade é igual. Não importa qual seja o “grau” deste problema! Estava debochando da minha cara de boba, fico o dia todo esperando por uma, apenas uma ligação, quando sei que nem vai ligar! Imagino o porquê de dizer aquilo, “Não me procure mais” Será que foi só para provar até onde vai sua força de vontade, pois bem, já quero voltar atrás. E quer saber você esta simplesmente perdendo! Acreditei tão fielmente em você, e me da uma facada desta, tão dolorida.
Fico tanto tempo só a procurar coisas que me lembrem você, que nem me dou conta que o tempo todo estou com você na cabeça, e ainda me lembro tão bem do seu cheiro, tão bem do seu rosto, tão bem de você. Já me ousaram dizer que estou mudada, de certa forma para melhor, mas é uma pena que estou tão amuada.
Um dia espero que se de conta da sua escolha, escolheu sofrer para dentro, ao invés de colocar para fora, escolheu superar sozinho aquilo que podia superar acompanhado, e por incrível que pareça, ainda sim tenho o desejo de esperar você voltar! É engraçado, mas você nem se quer foi... É menos doloroso dizer que esta longe, ao dizer com tantas balas na agulha que esta perto e não me quer mais, eu tinha decido lutar por este amor, e é tão melhor quando obtemos amor sem lutar, nem me dei conta que lutei sozinha, nadei e morri na margem do rio.
Desejo, é só um desejo algo supérfluo eu não preciso sei disso, mas quero tanto, tanto estar com você, você não me merece e é por isso que decidi por nós, então só me afastei. Eu havia dito, “Vou me afastar de tudo aquilo que já não me faz bem!” Inclusive deste amor doentio, que nem começou, mas foi lindo enquanto durou!
Acreditei que só quero me deitar em seus braços, e levantar pela manhã.





Agente podia se ver no ar, adaptações de Mayara, texto de Pipa!

impossibilitada







Aprisionada. Inerte, ela não se movia, estava ali parada esperando a morte chegar, ela apodrecia, por dentro tudo estava morto, e já não sabia se queria voltar a viver. Estava imóvel, pensava que se fizesse algum movimento seu corpo não agüentaria, e sucumbiria e desfaleceria, Por isso, ficou ali deitada, sem expressão, lagrimas? Não caiam é como se estivesse morta, respirava? Não mais, por mais que seu exterior lutasse para que ela continuasse viva, seu interior já estava morto, e podre. A morte a confortaria de uma forma ou de outra. Dor? Isso era a única coisa que ainda fazia sentir-se ali. Agarrava-se a essa sensação, esperando que aquilo ainda sim fosse um semblante, de vida. Agora esqueça, apenas esqueça, e esse seria o seu fim! 





Alterando: Blog

Eu estava morrendo!




Na imagem refletida no espelho não era eu que via, era uma estranha da qual eu não me lembrava nem conhecia! Eu via o sofrimento nos meus olhos, eram as minhas roupas, mas elas não serviam, notei que estavam todas largas, havia dias que eu não comia. Vivia de magoas de dor, ódio, sofrimento e até mesmo agonia. Minha pele esta enrugada, meu cabelo fino e tão grisalho, o que fez o tempo? Eu estava envelhecendo, ou estava mesmo sofrendo? E sofrendo tanto de quê? Por quê? Por quem? Já tinha marcas, as feridas estavam cicatrizadas, mas ainda doía, o vento soprava, e o meu peito cantava, ali havia um buraco onde o vento passava e me fazia cantar... Não tinha coração, não tinha nada! Vai ver que era pobre, e nada valioso, eu não queria lutar para obter um coração, e ocupar aquele lugar, por onde o vento gostava de passar e lembrar que era feita de nada... De pó talvez tivesse sido feita, eu era ainda uma menina, mas em uma cabeça tão velha e um coração tão amargurado, em mim sentia cheiro de mofo, gosto de café, eu estava morrendo e não sabia.

Luz incandescente


Imagem: Alberto.


Hoje vivo sobre a luz incandescente
Do escritório, onde eu moro
O que fazer quando a pessoa que você mais
Ama foge e leva com ela a luz do sol
A luz da lua?

Hoje sobrevivo nessa escuridão
Aqueço-me lembrando do azul do céu e o amarelo do sol
Contento-me com isso que os  outros chamam de perdão

Quando volto à realidade me assusto
Não consigo abrir os olhos
Na verdade não quero
Pois sei, que sei e você sabe...
Meu coração é preto, minhas roupas brancas
A única coisa que reluz nessas trevas onde vivo
Sobrevivo e moro
São minhas lagrimas pingando no chão
Que me lembra as cores de uma vida sem vida!

                                                                 Ingrid Silva Santos.






Grande texto.