Páginas

Escolhi viver sobre sua morte.










A vida te levou e me deixou aqui, eu agradeço apesar de não me conter e me desfazer em lagrimas, eu simplesmente agradeço por saber que você não vai sofrer mais morando aqui tão longe do paraíso, me iludo acreditando que esta em um lugar melhor. Agarro-me ao mesmo filete de esperança que me fazia acreditar que você ainda ia ficar mais um pouco para acreditar que ainda vou tê-lo aqui novamente. A vida foi dura com você, mas tão cruel comigo, como pode amar e não ser correspondido? E se fui como vou saber? A vida não mediu esforços se eu errei, ela garantiu meu sofrimento me castigou cruelmente tirando você de mim, antes mesmo que pudesse tê-lo só para mim...
Tornou tudo mais difícil ou mais fácil, nunca saberei me tirou o que eu nunca tive sem ao menos dar chances de despedidas. O adeus foi doloroso, mas acredito que mais doloroso seria saber que você nunca me amou em nenhum um instante nem mesmo nas noites em que eu rezei, pedindo para todas as forças do universo, para que o deixasse aqui comigo.
Eu confio no meu céu, dói não te ver mais, mas dói muito mais vê-lo tão perto e não poder tocá-lo, só quem ama pode me entender.
Ser egoísta... Não é que eu desejei sua morte é que eu desejei viver infinitamente na dúvida, ao invés de cair na vida real e não aguentar sofrer pelo fato de não ser amado por você.
Relativamente sua morte foi meu pedido de vida intensa, viver sem sua alma atormentando a minha.












Inspirada em Thaína Duarte.